sábado, 7 de fevereiro de 2009

SEDA

o amor não admite remendos
se rasgou, jogue logo fora

guardei o amor
ao redor do tempo
fora do alcance
desse momento

talvez em outro
eu me dê
ou me doa

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

AR PODRE

nariz não tem abrigo
se pouco for enganado
períneo com chocolate
secreção turva de alicate
dedos dos pés marcando o asfalto
morder no início é difícil
depois a gente se iguala
se quando eu falei faltou o ar
foram as palavras que me respiraram