quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

O LIVRO QUE NÃO LI

terminado o ano
e não consegui ler nenhum livro
talvez por isso as palavras me escapem
estão por aí
entre as pregas dos gritos
entre as nuvens que cobrem o tempo
estão por aí as palavras
e você aí talvez atento ao que digo
libere essas palavras
fale-me tudo que já sei
em qualquer idioma
todo grito é igual
todo sussurro é confundido
com uma idéia insossa
ou então não diga nada
releia em voz alta algum livro que não li

O POEMA, O POETA E OUTRAS CONSIDERAÇÕES

o poeta é menos importante que o poema
o poema sobrevive sem ele
porém o poeta não sobrevive sem o poema
sem o poema o poeta não tem a menor importância
o poeta sem o poema
lembra um pássaro que não voa
o poema sem o poeta
lembra um vôo sem o pássaro

RUA

quem conhece
o outro lado da rua
não atravessa
rega a flor
espera que o sol
ilumine os dois lados
espera que a rua
seja apenas um caminho
a ser ultrapassado

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

EMOÇÃO

a composição da emoção
começa na beira de um rio
caso não exista o rio
serve a beira do olhar
lágrima não sabe
que não é rio
mas sabe
onde vai desaguar

COR

antes da cor
alcançar a flor
existe a poesia
e por não entender
sua cor
expõe incolor
agonia

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

O AMBIENTE DA FELICIDADE

o ambiente da felicidade
não comporta passarinhos
não há árvores
para construir ninhos
no ambiente da felicidade
não cabe água corrente
porque não há
leitos suficientes
no ambiente da felicidade
alguém procura por outro à toa
no ambiente da felicidade
só cabe uma pessoa

FOTO

o mar ao fundo
pequeno detalhe azul
entre o meu olho
e o que realmente
devo enxergar

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

TÚNEL

não precisa
entrar no túnel
para saber
que é escuro
o túnel do cego
é mais puro
porque não existe
o outro lado
aos que enxergam
tudo é mais claro
quando o túnel termina
não precisa
entrar no mundo
para saber
que é escuro
o mundo do cego
é mais puro
porque não existe
o outro lado
e os que enxergam
outro lado no mundo
são os mais cegos

SOBRE AQUELE ASSUNTO

repito
já falei sobre esse assunto
repito
já falei sobre esse assunto
se por acaso
algo não ficou bem esclarecido
ou não foi devidamente esgotado
voltarei a esse ponto
no momento devido
por enquanto repito
já falei sobre esse assunto
repito

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

RARO

ser difícil é raro
uso o corpo
como anteparo
sob ele tudo
que o torna raro
enxergam pele
cabelos lágrimas e medos
não sabem da alma distante
escondida no labirinto do sangue
e assim todos os dias
disfarçar a hemorragia
é o maior segredo

MINA

a poesia não me salva do silêncio
por ele
começo a cavar
encontro ouro
encontro água
não consigo me encontrar

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

CANCERÍGENO

desenvolvo câncer
na palavra
quando interrompo
o silêncio
da página

NÃO COMIGO

se a morte pensa
que vai mexer comigo
está enganada
pode mexer com meu corpo
comigo não
pode parar meu coração
mas não vai parar
minha razão

W

encontrei uma data com w
quase inexistente no calendário
tal qual um peixe
fora do aquário
procuro ar
numa letra
difícil de respirar

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

PASSO SOLITÁRIO

teu coração não
bate por mim
quando ele parar
não será o meu fim
deixarei teu corpo
pelo caminho
seguirei conversando
mesmo sozinho

PORQUE POESIA É AR

quando o oxigênio
não alcança o cérebro
uso as palavras
e enquanto o cérebro
permanece paralisado
escrevo poemas

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

CAMINHOS

se quiser mentir
procure um surdo
se quiser ouvir
procure um mudo
se quiser uma testemunha
procure um cego
se quiser se iludir
leia um poema

MAR

mar vasto mar
quem te alagou
não cogitou chorar
nem acredites ser
todo esse sal suor
mar vasto mar
não passas
de um vasto urinol

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

ESCONDE ESCONDE

a felicidade é mais fácil na infância
porque a morte é longe
e não fabrica brinquedos
quando crianças morremos de mentirinha
e a vida nos faz de brinquedos
até morrermos de verdade
fechamos os olhos
enquanto os outros se escondem
para sempre

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

A POESIA VAI TE PEGAR

a poesia vai te pegar
sem usar as mãos
vai te pegar pelo pé
e continuarás caminhando
vai te enterrar
e continuarás voando
a poesia vai te pegar
quando menos esperar
nem vais saber que é poesia
isso que te prende
nessa página

DESPEDAÇADO

quem quer se dividir
procura o sonho
não espera que a vida o despedace
não há sangue nos cortes do sonho
e a dor fica pendurada
do lado de fora
a vida nos desperta
tudo volta ao seu lugar
e recomeça o eterno despedaçar

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

VISÃO DO TOLO

o tolo não enxerga tudo
nem todos enxergam o tolo
o tolo enxerga quem não o enxerga
inútil gesticula
quem o enxerga não vê os gestos
só enxerga o tolo
quem acompanha os seus gestos
imagina os gestos sem o tolo
quem não enxerga o tolo
também não enxerga os gestos
o tolo e a rua são a mesma coisa

ESCOMBROS

esquecer o mundo
até perdê-lo
e reencontrá-lo
sob as palavras

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

CAMINHANDO SOBRE AS ÁGUAS

era de pedra
o mar onde o outro caminhava
seus companheiros enxergavam água
e se afogavam
assim também ocorre com o poema
enquanto caminho sobre o silêncio
enxergam palavras
onde leitores e imagens
morrem afogadas

IMPALPÁVEL

desmistificar o silêncio
torná-lo intocável
mostrar-se mais que palavras
talvez eu mesmo
gesticulando o impalpável

SENTINDO MENTES

se eu conseguir
com as palavras
o que as imagens perderam
talvez eu sinta
a tua mente
perdida no silêncio

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

FIM DO TÚNEL

a luz apagou
o chão não aceita o passo
a pele não aceita o corpo
o sangue não aceita o coração
o ar não aceita o pulmão
a luz apagou
tudo vai fazer sentido
algo vai ficar parecido
nada vai ultrapassar o permitido

MANHÃ EM ESTOCOLMO

estou calmo em Estocolmo
não sei onde terminam meus ossos
e onde começa a neve
não sei do meu corpo
misturado aos destroços
de silêncios que erguem
músculos em forma de monumentos

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

PEDAÇOS DE LUZ

surgem as palavras
como pedaços de luz
que interrompem as sombras
e claras
formam outros caminhos
que os cegos devem seguir

ENQUANTO RESPIRO

a cadeira voltada para a rua
embora a janela fechada
a paisagem me imagina
nem me conhece ainda
não imagino a paisagem
espero que o ar me abandone

FAXINA

finjo
como se soubesse
o que os outros sentem
pessoas lembram objetos
sentadas nas prateleiras
recolho uma a uma
retiro o pó
e a tinta que fica
na flanela
lembra a cor
de algum sentimento
que não me ocorre
no momento

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

ONDE ESCREVO O MEU NOME

porque inscrevi meu nome
não quer dizer que eu esteja
estive em muitos lugares
onde nunca souberam o meu nome
noutros meu nome foi pronunciado
e eu nunca estive presente
o nome à pessoa não é um laço
um fosso cujo remédio
qualquer palavra é inútil

AMAMENTAÇÃO

a glândula mamária
pensava que me alimentava
eu soprava meus medos
e o anticorpo materno
desfazia-se em leite

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

ABDÔMEN

o abdômen da palavra é a poesia
como é poesia o que sobra nos sonhos
e o que sobra nunca sabe inacabado
sempre sobra medonho
sobra um tórax solitário
que pensava fazer parte do barulho
pensava porque batia
batia por puro orgulho

ALGO PARECIDO COM UM JARDIM

a borboleta excluída
pousa no poema
o poema lembra uma flor
na alucinação do leitor
o poema lembra um jardim
quando chega ao fim

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

LÁGRIMAS

a chuva
lembra as raízes
por dentro
dos meus olhos

FLOR HUMANA

expulsa a cor
vomita o perfume
rejeita o estrume
a flor se suicida
sendo humana

AO LER ESTAS PALAVRAS

observe a palavra
derramada na página
ferimentos sem prantos
sobre fundo branco
sob teu olho
sob teu couro
não adianta nada
depois de lida
está encantada

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

A POESIA NÃO SERVE PRA NADA

a poesia não apaga incêndios
não grita quando ferida
não sabe os gestos das árvores
não ergue homens nem afaga
a poesia não aparece
nem quando o silêncio cresce
deveria estar aqui
restaram só as palavras

PELA MINHA CABEÇA

mantê-la afastada dos sonhos
é o máximo que posso fazer
pela minha cabeça
o mínimo
é mantê-la sobre os ombros
com se eu pudesse contê-la

PAISAGEM SUÍÇA

o silêncio da Suíça
corta a superfície do poema
como se fossem paisagem
os cães se movem
as crianças não morrem
a pele clara de Zurique
dá a entender
que o resto do mundo
é mentira

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

PARA ONDE VOU

repouso meus pés
enquanto os suspendo
entre um degrau e outro
ergo meu corpo até o cume
cumpro o caminho
como se soubesse
os lugares onde nunca estive
permanecem
como se eu não existisse

COMA

o aço cirúrgico
corta o ausente
a fala é de sangue
abertura da carne
entre o campo
e o óculo
a vida pingando
enche aos poucos
os tubos da morte

terça-feira, 29 de novembro de 2011

ONDE GUARDAM AS LÁGRIMAS

já morei no lugar
onde guardam as lágrimas
é sal quando toca a boca
sabe-se amarga
quando sabe que a vida é pouca
perdura no rosto
o caminho que mata

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

O QUE O TEMPO COME

o tempo não come ninguém
as pessoas mastigam o tempo errado
mordem de lado
deixam à mostra
temperos que o tempo
finge que gosta

NOTURNO EM MANHATTAN

os prédios enrugam
a pele de Manhattan
seu suor é noturno
no escuro
lembra crianças de coturno
são de pele seus passos
seu idioma é fluente na lua
as sombras despedaçadas
formam ruas

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

CONTRA

ser contra não dói
se houver uma lágrima não será de dor
lenço de papel não guarda lágrima
no máximo rasura a calçada
no mínimo torna a paisagem
embaçada por um breve momento

CÉU DE MARTE

parecia escorrer da pele
e a pele corria desaguada
ficaram os ossos
os nervos expostos na bienal
moviam-se ao som das máquinas fotográficas
todo poder obtuso da arte
pendurou meu corpo
no céu de marte

PALAVRAS

estavam aqui
fugiram com a minha presença
se alguém me fala em algum lugar
serei pouco entendido
as palavras que tenho
estão comigo amassadas
entre o silêncio e a fala

ESPELHO

eu estava sem olhos quando me viram
ao fundo a paisagem me mostrava agitado
eu parecia o vento porém sem asas
mesmo assim planava
entre a superfície e algo parecido com a calma

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

AQUÁRIO

o peixe sonha um mar infinito
acorda contido
arrasta o aquário preso ao calcanhar
sua casa sua prisão
suas guelras acenam em vão
a esperança não tem barbatanas
repousa afogada rente ao chão

SIM NÃO

quem sempre diz sim
perde a pele
quem sempre diz não
não tem pele
quem quer sentido
prepare o ouvido
para despelar
ouça os pelos
do sim do não
ou do calar

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

VÓ MARIA

a agulha cruza o tecido
prende um lado ao outro
o tempo fica solto
cai de um lado e do outro
separa corpos
nas pontas dos medos
chuleando sentimentos
os botões não encontram as casas
tornam-se flores
e perfumam silêncios
como se tivessem asas

PARASITA

o sangue retirado
da veia do poeta
enche de palavras a seringa

MINHAS PERNAS

sei que sigo as minhas pernas
e elas se movimentam
em frente
chegam ao lugar onde não deveriam
e eu estou com elas
não questionam minhas pernas
no entanto me olham
como se minhas fossem
mas até que eu prove
que não temos nenhuma ligação
já estaremos todos mortos no chão

CAVALO SEM SOMBRA

parecia pura a sua crina
mas era um fardo quando engolia
parecia escura sua cauda
mas era espinhos nas ancas
trotava sem tocar o fundo
cavalgava sem se tocar
disparava se houvesse mágoas
relinchava se ouvisse águas
sob ele seu cavaleiro aos pedaços
a inútil sombra sobre o cadáver
a guia misturada à relva
o sol a pino na testa
não se adestra o destino

CARÍCIAS PÚBLICAS

quando encontrar a pele
separe dos outros objetos
acrescente às válvulas glândulas
mucosas
lavas de dejetos
mostre o que cobre a mão do lado de fora
transforme o gesto inútil
na melhor coreografia
engula o sacrifício
mostre-se anônimo
e embora aparente um ar tristonho
alegre-se por dentro com o malefício

terça-feira, 22 de novembro de 2011

SE

se for pra dizer qualquer coisa
melhor dizer
se for pra não falar nada
melhor falar
se for pra não ser percebido
melhor ser
se for pra calar
melhor sair daqui
se for pra se emocionar
procure outro lugar
se for pra perder tempo
encontrou
se acha que é poesia
achou

ESCALA

a música escala
as paredes do tédio
usa garras
parece humana
a música nunca morre
mas quando morre
não apodrece
vira casa

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

O QUE MEUS OLHOS

vicio meus olhos
com imagens falsas
olho para o homem
e enxergo esperança
olha para uma flor
e enxergo poesia
eu me exponho aos olhos do mundo
esperando que ele também esteja viciado
sou desse modo que me apresento
pareço sentindo tudo
mas disfarço

ALONGAMENTO

estou perdendo a noção de espaço
por mais que me dobre
minha alma se encolhe
meu corpo se abre
bato com a cabeça no fim do mundo
meu pé o infinito ultrapassa
não caibo no que sinto
o que sinto é a razão
porque minto

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

MEIAS NOVAS

instruir os pés a seguir o corpo
instruir o corpo a seguir os pés
como se fossem diversos
instruir as palavras a seguir o corpo
instruir o corpo a seguir às palavras
como se fossem de versos

DESGOSTOS

as coisas que o morto gostava
não morrem com o morto
as pessoas que o morto gostava
não morrem com o morto
o morto não mata a morte
mata o espaço onde existia
e as coisas e as pessoas
das quais gostava
nunca ocuparão esse espaço

MURO DE GRITOS

fiz dos meus gritos muros
nada ultrapassava
dor ou medo
quem sabe o outro lado
sabe o segredo

CALENDÁRIOS

as perdas de dezembro
não ultrapassam dezembro
assim como as perdas dos outros meses
não ultrapassam cada um dos meses
tudo dentro do seu tempo
e mesmo que não usássemos
esse calendário
a perda ocorreria noutros meses
noutros dias de outros anos
a perda independe do tempo
não adianta querer remendar o calendário
não existe cola que faça isso
pra sempre naquele dia
ficará aquele furo

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

FEBRE

a febre sobe de elevador
no meu corpo parece escada
o calor desaba um rio
em que eu pensava
ser a parte mais clara

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

FEITO ÁGUA

estou mais preocupado
com o meu corpo
do que com as palavras
ele se dissolve em água
quem bebe o meu corpo
não me cospe
engole como se fosse palavra
quem me come
não me fala
deglute como se fosse água

ENTRE O INTESTINO E A PÁGINA

a água retida
entre o intestino e a página
as palavras submersas
não pedem socorro
tornam-se peixes
com sorte tornam-se água
e permanecem retidas
entre o intestino e a página

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

ALEGRIA

alguns motoristas de terno
ganham menos que alguns sem terno
artistas não ganham
a mesma coisa
uns morrem de tédio
outros sem remédio
uns morrem em palácios
outros na rua
alguns morrem de tristeza
os sem sorte morrem de velhice
o poeta não sabe por que escreve
mas sabe por que não apaga
o poeta não é triste
triste é quem encontra alegria na poesia
a poesia não me traz nenhuma alegria
eu sou alegre sem poesia

MÚSICA

pensei em usar essa música num poema
mas não consegui representá-la
um poema é mais silêncio que palavras

DESASTRES

uma revoada de pombos
interrompeu o meu flerte com a árvore
a vida interrompe desastres

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

PARECIDO COMIGO

sei que não vai ser necessário
arrastar meu próprio corpo até o abismo
o precipício mostrando-se mais parecido comigo do que eu
as digitais precisas combinando com as minhas
sou eu o abismo
sempre que me abro dessa maneira
os ventos arrastando os grãos
os vãos abertos são a minha respiração
o aumentativo de tudo é a solidão

DEJETO

dizem que a chuva muda tudo
não mudou minhas palavras
a água não traz palavras novas
tristeza agonia
meu corpo engolido pelo canal
desemboca na boca do sol
que se engasga com a minha
insignificância

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

PESO

todas as coisas
que você não sabe mais
o que significam
mas mesmo assim as utiliza
como um peso
sustentando o silêncio
que insiste em voar

MATILHA

quando os cães vieram
eu não estava preparado
e os que estavam preparados
não sabiam que viriam os cães
preparavam-se para a colheita
e os cães vieram antes dos frutos
agora ancinhos e fardos
recolhem corpos
dos cães desfigurados

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

ISSO ACUMULADO AO REDOR

a exemplo da ausência
os cabelos e as unhas
continuam crescendo após a morte
ninguém vai abrir o caixão
para aparar as unhas e os cabelos
nem vai aparar a ausência
que se acumula ao redor
formando novelos

ENGRENAGEM

uma roldana
não se pergunta
o que está fazendo
numa engrenagem
se ela for pensar
para tudo
então
embriaga-se de graxa
e continua o movimento

ABRAÇOS

eu sei que os abraços
não são eternos
por isso nunca trago o meu corpo
isso que tocas
é apenas a sombra do meu sonho
também pedirei
que me esqueças
quando nascer minha cabeça
enquanto isso
movo precipícios
sob os oceanos
os navios não sabem
dos meus planos

ASAS

é mais fácil falar da queda
quando não se tem asas
o céu se espreguiça
com mais calma
quando se tem o azul na alma
minha alma feita de penas
converteu em nuvens
minhas omoplatas
o chão que me pisa
de baixo pra cima
espreme o silêncio pendurado
sem rima

terça-feira, 8 de novembro de 2011

AS PARTES DO MEU CORPO

minha parte suicidada
mesmo morta
nunca se acaba
acompanha a outra parte
também morta
sem alarde
e juntas formam esse corpo
que mesmo morto
ainda me cabe

SEM MÚSICA

parado
como música sem ouvido
as vibrações movendo
os grãos dos sentidos

OTIMISMO

saiba que essa dor vai passar
a morte vai tomar seu lugar

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

MELHORES DEPÓSITOS

não guardamos pessoas nos livros
guardamos em armários
calendários hospícios asilos
hospitais catacumbas
guardamos palavras nos livros
para mencionar a lembrança de alguém
usamos palavras
as pessoas incham quando morrem
depois explodem e fragmentam-se em ossos
palavras não incham só explodem
e os seus fragmentos não são de ossos

RESPIRAÇÃO

estou cansado de respirar
aliás estou cansado do ar
esse ar assombroso que não me abandona
já reduzi os espaços
retirei os pulmões a narina
esse ar me circula
como se fosse minha sina
infla meus movimentos
infla minhas palavras
são de ar essas palavras
que parecem água

PERDAS

o modo de perder
é mais relevante que a perda
perder verdadeiras posses
nunca perderei o amor
nunca perderei a dor
nem tenho essa rima
tenho uma agonia
parecida com a poesia
será difícil perdê-la
foi mais fácil obtê-la
aprender a morrer
é o melhor modo de
perder a poesia

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

TODO SENTIMENTO

algumas coisas não se acertam nunca
nunca serei a pele de alguém
nunca serei minha pele
palavras suturam discursos
mas as cicatrizes não se apagam
o silêncio rompe os cortes fechados
melhor deixar assim
tudo aberto
todo mundo é igual por dentro
alguns não entendem os sentimentos
tudo é dor fique certo

PÁGINA SONORA

pontes e abismos
esses pequenos objetos
e suas alavancas
reentrâncias
e o modo de encaixar as palavras
se eu soubesse
não estaria aqui agora
tornando essa página sonora

MANHÃ QUASE CALMA

mostrou-se tranqüilo
apesar da altura
os cabelos em desalinho
a gravata dando voltas no pescoço
o sapato direito quase caindo
o asfalto ainda molhado da chuva noturna
poucos automóveis ainda
poucos transeuntes
e apenas o seu corpo de encontro ao solo
o filete de sangue
interrompeu o caminho das formigas
e o corpo interrompeu a manhã
que parecia calma
até aquele momento

SONHANDO COM BOCAS

palavras pontiagudas
intragáveis
invadiram a minha boca
enquanto eu bocejava
eu queria um sono
agora tenho sonhos
sonho com uma latrina
onde eu possa
cuspir essas palavras
sonho com outra boca
parecida com a minha
e diferente nas palavras

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

ESPETÁCULO

aos domingos
artistas cansam o público
a sensibilidade sempre corrói
a parte branca do sonho
os artistas descansam
onde as palavras dormem

terça-feira, 1 de novembro de 2011

FINADOS

deixaram apenas o meu rosto do lado de fora
as flores cobrindo o restante do corpo
nem percebem o meu hálito
nos sopros que tenho guardado
para cada um dos talos
meus movimentos por dentro
despertam outros sentimentos
não sei se durmo
não sei se falo
acho melhor adormecer
até apodrecer

PLANANDO

quando a lucidez foi embora
eu estava no meio da rua
empinando pipa
subi pela linha até alcançá-la
ela fingiu não sentir
o peso do meu medo
permaneceu misturando
suas cores ao azul do céu
esquecemos da noite
do mundo pendurando lá fora
fiz um chapéu do escuro
nunca mais fomos embora

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

MANEIRA DE ENXERGAR O MUNDO

minha maneira de enxergar o mundo
não uso os olhos
tenho pouco tato
pareço um morto estupefato
respiro desatento
o que sinto é puro
vento
desmanchando os cabelos
do intestino
grosso modo de enxergar o mundo
não uso os outros
tenho poucos traços
pareço um cadáver absorto
inspiro lento
o que vejo é um furo
desalento
desmanchando os pelos
do intestino
delgado

FOSSE

se eu fosse o mar
seria só espuma
se eu fosse o ar
seria pó
se eu fosse amar
seria só

DIZER

estou esquecendo palavras
às vezes tenho algo a dizer
mas esqueço as palavras
às vezes tenho as palavras
mas não tenho o que dizer
às vezes tenho palavras mas não tenho poemas
às vezes tenho poemas mas não tenho palavras

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

ABISMOS

abismo com dobras
uma escada
abismo sem certezas
um fosso
abismo sem paredes
um alvoroço

MAR NO COPO

colado à parede
sob percevejos
a foto do mar
dentro do copo
bebo o mar
quando quero ter certeza
sinto o mar
quando me solto

PICOTES

em tempo
não necessito de assombros
portanto nada de negar meu espanto
por enquanto rasgo o meu silêncio
e os picotes se acomodam
em compêndios

RELÓGIO

não se preocupe
mesmo sem certeza
vai ser assim
não pense que pensar vai mudar alguma coisa
não pense
não se iluda com a curva do relógio
o tempo tem um ponto
bem no meio

SUSPENSÃO CORPORAL

os ganchos que sustentam o meu corpo
são feitos de sombra
iguais a esses ganchos
que sustentam essas palavras
sob nós um estranho sangue se mistura
às nossas secreções
algo parecido com nossas emoções
sendo mais fáceis

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

ENCAIXOTADOS

o tempo nos jogou
nessa caixa sem fundo
a felicidade não dá tempo
o fundo da caixa é o mundo

TERMINAL

a poesia é a
representação gráfica
do câncer
alguns têm cura
quando descobertos no início
é impossível descobrir
a poesia no início
a poesia não tem cura
é inoperável
quem descobre a poesia
descobre o fim

terça-feira, 25 de outubro de 2011

POEMA PARECIDO COM ALGUÉM

alguns poemas lembram pessoas
não deveriam
poemas devem lembrar palavras
imagens
silêncios
espero que não se lembrem de mim
ao ler este poema
lembrem das palavras
das imagens
dos silêncios

MAIS UM ANIVERSÁRIO

todo mundo fica um pouco otário
quando faz aniversário
a festa finge que disfarça uma morte iminente
a luz que traduz os dentes
quase se apaga
acende um lírio no ilusório
e
mesmo sorrindo
não dá pra lacrar o buraco
por onde o tempo vai se extinguindo

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

PLANTA

rego a planta dos pés
pisando o mundo
é de água onde passo
é de sede o meu passo
a raiz dos meus pés
não tem fundo

TÉDIO

não acontece absolutamente nada
o tédio cria músculos na insônia
o sol arrasta a noite pelos cabelos
alguns fios escapam e cobrem o meu rosto
meu corpo não se aprofunda
quer ter passos onde não há piso
meus sonhos são dos outros
e nem preciso
cabeças alheias ocupam meu pescoço
minha pele se sustenta sem ossos
arroto o gosto do mundo
e não me dou por satisfeito
quando tenho janelas
não tenho olhos
quando tenho olhos
não tenho paisagens

LIMPO

a pessoa mais limpa do mundo
sou eu dentro do espelho
fora dele
bóio entre os detritos
mergulho nessa superfície
pensando ser outra pessoa
dentro do espelho
ou fora dele
repito os mesmos gestos
não repito os pensamentos
os detritos marcam a minha pele
as cicatrizes o espelho expele

TRANSPARÊNCIAS

o outro não é transparente
mas o outro age como se fosse
as veias dos seus sonhos
o sangue por fora dessas veias
o sistema linfático carregando suas sombras
seus segredos de infelicidade e medo
ele pensa que podemos ver tudo isso
e o seu rosto com um aparente sorriso
aprofunda o vão já carregado de água salobra
o mecanismo do abraço falido
é substituído por gritos encardidos
também agimos como se fôssemos transparentes
lançamos nossas tentativas de sorrisos
em meio às lagrimas
e o outro entende absolutamente tudo ao contrário
como também não entendemos

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

BRINCAR DE TEMPO

o espaço
que uma criança ocupa
não tem retas
é curva a atmosfera
que a abriga
quando dobra
o tempo que fadiga
mostra o fruto
do adulto
que a carrega

O IDIOMA

esse idioma é difícil
toda palavra
perturba qualquer sentido
o silêncio pensado
é um motivo
mesmo feito agora
esse idioma
transforma tudo
em ruínas
lá fora

MEU VENENO

eu te amo
como quem morde
a própria morte
e o veneno
que inoculo
torna o mundo
a parte da chuva
mais forte

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

RETENDO AS ÁGUAS

lembrança parada
como água retida
num sonho
e a pressão exercida
torna a vida
quase sem tamanho

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

DA MENOR IMPORTÂNCIA

eu pensei entender a poesia
depois entendi que a poesia
não é pra ser entendida
pensei na poesia salvando o mundo
depois descobri que a poesia
não é deste mundo
pensei na poesia
como a melhor parte da infância
com o tempo descobri
como era grande a minha ignorância
na verdade a poesia
não tem a menor importância

SENTINDO POEMAS

a primeira vez que senti um poema
nem pensei que estivesse sentindo
alguma coisa se abriu por fora
e me tornou o centro
alguma coisa se mostrou por dentro
como se eu não estivesse sentindo
a minha alma se abrindo

RESTAURAÇÕES

a espátula retira
as camadas de tinta
a poesia retira
as camadas de silêncio
a morte retira
todas as camadas

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

PARTIR

melhor não falar nada
e sentir tudo
chorar de madrugada
no escuro
partir
como partem as palavras
erguendo muros

FICAR

ia falar
mas não falou
ia sentir
mas não sentiu
ia chorar
mas não chorou
ia partir
mas não partiu

PAISAGEM INÚTIL

inútil paisagem
na janela
a nuvem esconde a lua
só pra ela
a lua cheia
sábia de espanto
mais inútil que a paisagem
é o meu canto

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

A MÁGOA PARECE UM RIO

passei na rua em que tudo aconteceu
todas as portas estavam fechadas
ninguém se lembrava de mais nada
as pedras que receberam o choro
pensavam que era uma chuva passageira
hoje submersas formam o leito do rio
as pedras não sabem o sabor da água
pensam estar num rio
estão num mar de mágoas

terça-feira, 11 de outubro de 2011

A PARTE FLÁCIDA DO SONHO

aos que carregam o meu corpo
recomendo deixar o amor guardado
entre o que entendo e o plástico
e o resto deixe solto
até porque não haverá
onde guardar
as partes flácidas do sonho
cobrirão onde eu deitar

PARA ENTENDER O DESERTO

quem entende de deserto
entende de miragem
quem entende de tristeza
entende de coragem
sempre pensei que era miragem
esse deserto
minha lágrima um oásis
que não mata a minha sede
eu não entendo de desertos
eu não entendo de tristezas
minha coragem
tornou o mundo uma miragem

PAPOULAS

a papoula estagnada
interrompendo a cerca
imune ao vento
o pólen misturado ao silêncio
como uma primavera sem cor
o verde ao fundo
parecendo o grito
de um homem que acabou

TEMPOS MODERNOS

a lua
usa a televisão
para entrar em casa
antigamente
não precisava

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

ORGASMO

era como se eu
ali não estivesse
e o meu corpo
esquartejado
mesmo completo
depois de costurado
formasse o corpo
de outra pessoa

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

FINGINDO VIVER

a melhor forma
de fingir estar vivo
é mostrar-se sábio
parecer saber de tudo
inclusive dos motivos do luto
saber que a morte
é apenas a metade
do que aconteceu antes

O QUE FIZERAM DOS MEUS SONHOS

depois do que fizeram com meus sonhos
restou-me a poesia
mas ninguém dá importância à poesia
a consideram uma atividade supérflua
desnecessária
mesmo quando encanta
ou quando machuca
é tão pobre que se utiliza de palavras
mas um sonho é mais complexo
requer cabeça e rumo
justamente o que me retiraram
por isso fiz da poesia a minha cabeça
fiz das palavras o meu rumo

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

TREVA

o sonambulismo da treva
surpreendeu o dia
não a mim
conduzo-me no escuro
como se o retirasse
de cada passo
o sonho da treva
é cercado de muros
de meus ossos escuros
o alicerce
poderia transpô-los se quisesse
porém prefiro cobri-lo
como se a luz me apagasse

PARA SER SÓ

para ser só basta nascer
o outro sozinho
vai te encontrar no caminho
colar a tua pele à dele
roçar pensando tocar a alma
como se a alma se deixasse tocar
o gozo não vai ser dividido
o choro sairá por cada olho
o abraço não formará um corpo
nunca será a mesma a emoção
nem o pensamento
ou a secreção
para ser só
basta nascer
e alguma coisa entre este momento
e o último
vai te deixar pendurado pelos sonhos
um gancho perfurando a alma
a solidão escorrendo pelos furos
para ser

basta

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

O MECANISMO DOS PÁSSAROS

às vezes entendo
o mecanismo dos pássaros
ao ver a tarde
molhada por seus passos
quando poderiam estar
suspensos pelas asas
sujando o mundo
como se fosse a sua casa
entendo a rima
do ninho com a fala
escondem os ovos
como se escondessem suas mágoas

O NOME DAS COISAS

escolha um nome
para a coisa que sente
qualquer nome
ou não sinta mais
e não nomine
escolher um nome
para o que se sente
tira o que sente
de dentro
para a beira do olhar
olhe para o nome
da coisa que sente
esqueça o que sente
e sinta o nome
ou esconda o nome
daquilo que sente
longe da beira do nome
e sinta o que sente
sem olhar

ANIVERSÁRIO

quando havia festa de aniversário
no colégio estadual
as bancas eram encostadas na parede
e as cadeiras encostadas nas bancas
voltadas para a sala
ao centro o birô da professora
coberto com uma toalha de plástico
sobre ela o bolo confeitado
biscoitos pratos de papel
garfinhos de plástico
e jarras de suco feito de um pó solúvel
a coordenadora e a diretora presentes
tornavam tenso o ambiente
todos ficavam sentadinhos
com as mãos sobre os joelhos
observavam uma festa
que dificilmente teriam em suas casas

terça-feira, 4 de outubro de 2011

AS ÁRVORES DO CAMINHO

as árvores que me viram passar
já me esqueceram
eu também as esqueci
se houve alguma lembrança
ficou impregnando este poema
não há verde nem há homem
não há morte nem há vida
apenas as palavras esquecidas

PAPEL DE POEMA

poemas são palavras de papel
quem se fere com poemas
não tem pele
pensa que o sofrimento é sangue
em vão usa a lágrima como torniquete
no papel do poema não há palavras
triste de quem as lava
usando o sangue como lágrima

EUROPA

o que me faz frio
não tem volta
sua clara costa
perdeu minha vista
chego ao cume
sem usar a cabeça
a nuvem cobre
o meu rastro
para encontrar meu caminho
não me aqueça

GOLA

o tempo ao redor do pescoço
feito uma gola
às vezes aperta
às vezes afrouxa
o tempo quer
ser mais medonho
do que aparece no sonho
quer na pele
suas digitais
quer a paisagem dos olhos
que não enxergam mais

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

OSSOS DESMONTADOS

dizem que sou perfeito
nunca me viram com os ossos desmontados
é fácil julgar o conjunto
quando este não possui detalhes
na briga entre a minha lucidez e o haloperidol
eu sempre levo a pior
catatônico ensaio uma sombra sobre o mundo
mas a baba que escorre das palavras
denuncia que ainda vivo

MUNDO IMPERDOÁVEL

não acredito nos dias
como me mostram
a dor que sinto é tatuada
vista no escuro
forma um estranho desenho
aos poucos vai moldando às mãos de um cego
esse mundo imperdoável

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

PAZ DO VULCÃO

o mastro da bandeira
enfiado no vulcão
todas as guerras juntas
não formam uma margem
o rio que sobra
não comporta o vulcão
recebe o calor e evapora
nem tudo que evapora está em paz
nem tudo que apavora
não tem paz

POESIA REDONDA

a poesia vista de cima
nem precisa de rima
lembra uma agonia
sem quinas
redonda
rola pelo mundo
não cabe em todo canto
mas vai a qualquer parte

PASSADO DO FUTURO

contaminei o mundo
com os meus filhos
mas não me sinto culpado
gerei olhares novos
sobre um mundo velho
tudo que eu disser agora
será usado contra mim
no passado

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

TAMANHO EXATO

tudo é imenso
quando somos crianças
o medo
o tempo
os outros
a esperança
depois tudo fica
do tamanho exato
do tamanho onde não cabe
os nossos sapatos
onde os nossos vultos
parecem de adultos

POR MIM

dizem que nasci
por mim
não me mereço
vou até
onde me guardo
desapareço

REPRODUÇÃO

reproduzir a solidão
num papel sem poro
a tinta que não fixa
escorre pela página
e forma esse chão inesgotável

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

SER HUMANO

carne cercada
de emoção
por todos os lados
às vezes só emoção
sem carne
às vezes só carne
sem emoção

TEMPO DE VOAR

passarinho
nunca perde o vôo
o tempo
não faz parte
dessa arte
o tempo
nunca canta o vôo
o tempo
sempre é tarde

terça-feira, 27 de setembro de 2011

SER LEVE

o copo de câncer esfria ao lado do corpo
a mão tenta alcançar o furo
mas permanece presa ao corpo no escuro
a morte esqueceu de ser leve
quando voa carrega pessoas
como se fossem perfumes

NUVEM DE SILÊNCIO

a poesia move nuvens
move a nuvem do silêncio
revela o escombro das palavras

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

NINHO

o amor é um pássaro cego
que constrói o ninho
num abismo de espinhos

DE VIDRO

o vidro é livre
porque é transparente
o mesmo não se pode
dizer das palavras
embora transparentes
estão presas ao que comportam
as idéias guardadas no seu interior
tornam o silencio pior

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

O IDIOMA DAS ÁRVORES

as árvores não calam
por isso permanecem belas
falam o idioma das esferas
mesmo quando estão quadradas
falam o idioma das estrelas
mesmo quando estão apagadas
as árvores não calam
por isso permanecem
penduradas no dia
falam o idioma da poesia

RALO

ainda não me amarrotou como devia
ainda sobrou o reto
onde guardo o teu calo
como quem desmonta um cavalo
peça por peça
começando pela crina
terminando pelo ralo
onde me escorro
onde me entalo

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

DE OLHOS FECHADOS

não abra os olhos
talvez o sonho te perca
e o corpo
parecido com o grito que forma a boca
não encontrará o caminho de volta
não abra os olhos
talvez a paisagem ainda não esteja pronta
e os ossos à mostra
não espere o corpo ser formado
não abra os olhos
talvez o olhar não esteja pronto
e tudo
que poderia ser visto
mergulhe teu corpo no escuro
não abra os olhos
talvez nem haja sonhos nem paisagens nem olhares
antes é preciso ter certeza
que os olhos são teus
que são tuas as imagens
que a vida não passa de uma miragem

NÃO SOU O SOL

minha mandíbula perdida
no meio do sorriso
o rosto perdido
ao redor do sorriso
pensavam que era o sol
minha cabeça girando
ao redor da terra
apesar do fogo
apesar do calor
o verde abre caminhos sem pressa
não tenho cabeça pra isso
nem sei pra que tenho cabeça

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

VISTA DO MAR

o mar visto de cima
lembra pegadas
de um corpo feito de água
o mar visto de baixo
lembra a escolha
de um corpo desfeito
o mar revisto
revigora o cisto
do aquário

CAPA

não precisei falar
para que você entendesse
o que eu queria dizer
o combinado era
dizer tudo sem usar palavras
mas o que deve ser dito
requer capas
nem toda idéia
aceita qualquer chuva
mesmo que a capa seja furada
como as palavras

terça-feira, 20 de setembro de 2011

TARDE NUBLADA

o céu distorce a tarde
tossindo nuvens escuras
entre as árvores
não enxergo a tarde

só enxergo o escuro
a tarde me encolhe
entre os seus muros

PALAVRA SECA

eu tinha uma palavra seca
pra te dizer
mas resolvi dizer
só a metade
resolvi dizer
a parte seca da palavra
e a parte seca da palavra
é a verdade

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

ESQUINA DA MEMÓRIA

o cheiro do pano dobrado
dentro da lancheira
o cheiro de oiti
entranhado na tarde
o caminho repleto de árvores
o sol boiando na chuva
os motivos que fazem o choro
tornar-se uma gargalhada
o joelho ralado
o espinho da laranjeira
rompendo a paz do final da tarde
romãs sem valor
carambolas como petardos
borboletas chamadas pelos nomes
libélulas cruzando o céu de chapéu
esse barulho ensurdecedor
de uma música pousada
na esquina da memória

REPOUSO

a poesia
é a zona erógena do caos
poesia é som
que surdo inventa
poesia é igual a um passarinho d’água
quem muito se aproxima pra ouvir
termina se molhando

DESPOJOS

a cama sem pés
suspensa no meio do quarto
o corpo sobre a cama
a vontade suspensa
paredes não aprisionam a vida
todo morto se comporta
e ninguém mais saberá
como se comportam os seus desejos
pertence aos outros
os desejos do morto
faz parte dos seus despojos
diante deles
ninguém se comporta

domingo, 18 de setembro de 2011

TRAGÉDIAS

meus olhos
não criam tragédias
elas estão
ao nosso redor
quando eu era cego
meu tato
só encontrava
o pior

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

A RAIVA

a raiva nunca
deixa voltar
a raiva sempre
fica sozinha
a raiva às vezes
nunca acaba sempre

PARA TUDO

tem gente
que quer um pedaço de lua desses
e não tem
tem gente
que vive sempre de dia
mergulhado num suor
que não é seu
tem gente
que madruga sem ter noção do escuro
tem gente
que escreve e pensa estar
usando palavras
tem gente
que enxerga sem usar os olhos
e a paisagem vista
passa a fazer parte do corpo
de quem enxerga
tem gente
que brilha sem cor e as lacunas escusas
não suportam
tem gente
que nem sabe que é gente
e permanece ruminando
a grama que arranca
entre os artelhos

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

FOGO

existem medos
onde não se pode
utilizar os dedos
o calor do desamparo
torna o abraço
um gesto raro
as labaredas da pele
não cruza
o que expele
é sonoro
o silêncio
ao redor do poro

EFEITOS COLATERAIS

são desconhecidos
os efeitos colaterais da poesia
mas existem
são inúmeros
nem dá pra relacioná-los
pra não piorar
melhor não usar

CAIBO

às vezes o espaço oferecido
para ocupação do corpo
não é suficiente
e parte do corpo fica ausente
às vezes o espaço oferecido
excede o permitido
e o corpo fica perdido
a poesia me oferece o espaço
onde o meu corpo cabe exato

ONDE GUARDAR OS SONHOS

bebo da vasilha do caos
o gosto amargo me desperta
vivo de acordo com os meus sonhos
sonho algum dia ter uma cabeça
onde eu possa guardar os sonhos

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

DECERTO

devido ao deserto
divido espasmos
sendo Nilo
finjo orgasmos
sendo mar
finjo areia
sendo vasto

terça-feira, 13 de setembro de 2011

COLAR DE CONTAS

um casal fala de contas
de um colar que não é dela
as contas formam o firmamento
e as asas dele abertas
formam o céu
quando um homem quer ser anjo
a alma se desdobra
até ficar em pé
de onde retirou a alma
guarda a mulher

UMA PRAÇA EM HANNOVER

fui ao extremo
como se alguma praça em hannover
fosse alterar alguma coisa
o ar entre as árvores
todo esse espaço
a dificuldade do idioma
um prato colorido sob os olhos
insuportável
essa pele que se forma
entre as pessoas
uma pele sem poros
o suor que não tem pra onde fugir
borra a paisagem
disfarçado de lágrima

PROVISÃO DO TEMPO

a poesia sempre dá motivos para a chuva
feita de nuvens carregadas de céu
que diante do espelho
não consegue definir a sua cor
porém se empalha
por todos os lados
pulsa como se possuísse órgãos
e algo parecido com sangue lhe aquecesse
o poeta é feito de água
isento de trovões e raios
a palavra é sua temperatura
sempre age contrário
a todas as previsões do tempo

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

COMO SE A VIDA FOSSE QUEBRAR

escolho objetos
como se a vida fosse quebrar
guardo em armários abertos
nos vasos sem fundos
recolho objetos
como se a minha vida
fosse quebrar
guardo em desertos
cobertos de mar

SEMPRE SOZINHO

quem escreve
sempre está sozinho
palavras não são boa companhia
surgem pra quem vive sozinho
o que as palavras formam
não parece com agora
mas com o tempo
mais se parecem com o tempo
quem escreve
nunca está sozinho
quando se afasta das palavras
e se aproxima do que elas significam
a palavra usa o poeta
pra se esconder lá fora

sábado, 10 de setembro de 2011

UM HOMEM DE CORAGEM

quando eu era homem tinha coragem
agora tenho coragem e não sou homem
como se coragem e homem
devessem viver juntos
como se ter coragem fosse coisa de homem
como se o homem só existisse com a coragem
quando eu era coragem não tinha homem
agora tenho homem e não sou mais coragem
resta me travestir de homem
e marcar um encontro com a coragem
não sei se vou ter coragem
não serei se serei homem

DO QUE AINDA NÃO FALEI

não falei da morte
hoje
talvez porque o sol
esteja submerso no quarto
talvez porque meu sonho
esteja gravado no sudário
não falei da morte ainda
hoje
talvez qualquer palavra
desconheça a vida
talvez porque meu sonho
soterre de lágrima o aquário
não falei ainda hoje
morte

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

JAZIGO PERPÉTUO

a poesia é o jazigo perpétuo da agonia
quem tem medo de chorar não cante
quem tem medo de sentir não seja
flores coloridas perfumadas
não interrompem o morto
a cerimônia do adeus é de quem fica
quem tem medo de ter medo
deite-se ao lado do cadáver

EU IA ESCREVER UM POEMA

se não quer começar não comece
pra que dar esperanças a uma página em branco
se a cabeça em branco funciona melhor ocupada
desocupar a cabeça e ocupar a página
pense bem
qual o melhor pra cabeça
deixar que o olho veja o que fez na página
deixar que o papel pense no que guarda a cabeça
se não quer começar não comece
melhor parar por aqui

MALA DE OSSOS

as coisas que não alcançam meus ossos
distribuem distúrbios
avesso ao que posso
mordo as marcas das feridas
até sobrarem sombras
atmosferas de brilho
não desfazem meu drama
dei pouco valor ao que não sei
dei valor a quem não sei
mesmo assim meus ossos
não serão perdoados
viajo e os carrego na caixa do peito

DESESPERO

os degraus do desespero
apesar de irregulares
são fáceis
mais baixos que o chão
parecem buracos
no final são abraços
que sufocam a razão

ANTES DA POESIA

a borra que se forma
entre o silêncio e o agora
entre o poema e a hora
forma palavras
forma demoras

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

RALO

o mar no corredor
encontra no meu olho o ralo
tanto sal confunde minhas lágrimas
tanto mar confunde o meu olhar
esgoto o mar no meu olhar
esgoto minhas lágrimas no esgoto

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

POETA SEM FÔLEGO

o poeta sem fôlego
corre mais que as palavras
depois as socorre
as coloca numa lata
depois as escolhe
como quem mata

terça-feira, 6 de setembro de 2011

ESSA POEIRA NAS COSTAS

o tempo faz essa poeira
em minhas costas
talvez por isso me confundam
com lagartos
a confusão nas minhas costas
carrego esse peso
o tempo faz essa poesia
em minhas costas
talvez por isso me confundam
com o passado
essa palavra minha hóstia
consagrada

A BOMBA

a bomba separou os abraços
como um beijo
tornou estilhaços o azulejo
que formava a tarde
a bomba tornou inútil a primavera
tornou caminhos crateras
tornou pensar algo dormente
transferiu o metal do soldado
para a gente

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

TECIDO VIVO

ter sido vivo
e o meu espanto
em cada canto
em que estive
em pranto
tecido vivo
no meu canto
que estive em pranto
em meu espanto
tecido vivo
com a linha do encanto
amarrado ao canto
do espanto esquecido

FIM

e se eu me acordasse
durante o sonho
e mesmo assim o sonho
continuasse sem mim
e eu continuasse sem o sonho
sem saber o seu fim
e se o sonho me despertasse
para o que continuasse
e se eu adormecesse
enquanto o sonho
se acabasse
talvez eu me tornasse
um sonho
talvez em mim
o sonho se tornasse
e entenderíamos enfim
ser desnecessário
saber o fim do outro
desnecessário saber
que existe um fim

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

AULA DE POESIA

seja comedido
disseram
preste atenção
na conjunção
do verbo com a idéia
cuidado com a platéia
e também com a alcatéia
algumas palavras são pontiagudas
outras são de água
o silêncio é um novelo sem trava
respeite aos que se envolvem
com essa seara
mostre sua cara e sua casa
completamente diferentes
mostre o que sente
mostre a solidão dormente
não mostre nada
tudo isso
não aprendi
faltei à aula

ESPERANDO O GOLPE


eu disse várias vezes
que não viria
mas cheguei
meu pé maior que a boca
agora nada falo
imóvel plantado
parecendo uma árvore
meus gestos vão formando galhos
e o tronco erguido
tornou a cabeça copa
curvo as costas
espero o golpe do machado

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

AUSÊNCIA

sem ti
sinto o chão
da altura do céu

LÁZARO

dores fortes
marcaram o retorno do meu corpo
à atividade
o esquife me deu
a exata noção
do meu tamanho no mundo
e o quanto é ridículo
lutar por oxigênio
descobri que são minhas as pernas
e é meu o lugar
não preciso de ninguém
para me levantar

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

MOVEDIÇA

antes de a poesia chegar
não havia deserto
a sede do sol infinita e sua areia
movediça as palavras
nenhum poeta consegue resgatá-las
por isso recorre às metáforas

MOVENDO PELES

por mais que eu comova a minha pele
nunca enxergarás meus ossos
por mais que eu me perca
nunca serás meu esconderijo
por mais que eu me submeta
aos meus percalços
nunca serás minha salvação
por mais que eu me engane
sem razão
por mais que eu te esgane
não preciso de ti
por mais que eu me esfole
e me pendure em teu varal
nunca serei o silêncio
que atravessa o teu quintal

MINIMALISMO

o poeta minimalista
deseja escrever o poema
usando apenas uma palavra
a idéia não acompanha
o silêncio não ajuda
o poeta minimalista
resolve tornar-se um prolixo
e quer escrever um poema
usando todas as palavras
fica só faltando uma
a idéia não ajuda
o silêncio não acompanha
o poeta descobre que o poeta
é aquele que procura
apenas uma palavra
mas a idéia é absurda
e o silêncio atrapalha

terça-feira, 30 de agosto de 2011

VENTANIAS

a ventania jorra a noite
antes do tempo
os relógios assustados
transformam-se em homens
perdidos no escuro
arrastam pelo calcanhar o futuro
temendo perder este momento

VESTIMENTA

o assoalho do caos me conhece
a minha pele veste os tijolos
meu pelo verte os passos
o resto do meu corpo
é o resto do espaço

PALAVRA NOVA

as palavras não envelhecem
as rugas do silêncio
sabem disso
guarde no seu olho
dessa palavra
a juventude

POEMA DESCABIDO

ninguém me faz falta
morto
descaberei para todos

CABIMENTO

o que me cabe
é o que cabe
na minha cabeça
o amor não cabe
na minha cabeça
o amor não me cabe

CABEÇA

na minha cabeça vazia
só cabe poesia
gostaria de pensar em coisas mais amenas
mas a minha cabeça é pequena

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

RUA VAZIA

a rua vazia cruza a tua vida
sem automóveis e pessoas
árvores secas
nenhuma flor
os cães esqueceram esse caminho
na rua vazia a solidão
mostra os seus dentes
todos eles obturados
quem cuidou desse sorriso
não tinha idéia desse estrago
no meio da tua vida
essa rua vazia
espera os teus passos
não tens como retribuir sorrisos
permaneces sério
calado

DIÁLOGOS

ninguém escuta ninguém
você não escutou isso que eu disse
não tem importância
não vou repetir
o que você entendeu
não faz a menor diferença
não sei se vou escutar
quando você responder

MELHORES FRASCOS

retiro a tampa
minha mão não alcança o fundo
o frasco colado à mesa
assim funciona o poema
uso os olhos a intemperança
mas a mão nunca alcança

COROLÁRIO

pessoas más
fazem coisas ruins
às pessoas boas
pessoas boas
fazem coisas ruins
às pessoas más
pessoas boas
convivem com pessoas boas
pessoas más
convivem com pessoas más
de vez em quando se misturam
mas quando descobrem
pessoas más
fazem coisas ruins
às pessoas boas
pessoas boas
fazem coisas ruins
às pessoas más

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

OLHO SOBRE TELA

enquanto a lua expira o abismo
oasis subvertem a ordem dos desertos
palavras soterram quem as carregam
o silêncio é o calor do escuro

FRIGORÍFICO

o fato é que não durmo
minha participação nesse sonho é nula
escalo corpos por dentro
engancho palavra na palavra
o cume me conhece
por isso silencia
desfaz a minha pele
enquanto cria

PONTO DE ORIGEM

retorno ao
ponto de origem
disseram
meu ponto de origem
não sei
meu ponto de origem
talvez
me deita curvo
qual uma vírgula
meu ponto de origem
pode ser o final
de alguém
a origem do meu ponto
não sou eu
não me inicio aqui
parto do meio
e o meio nasce
sem ponto de origem
onde inicio
não há ponto
nem sei
se há origem
ponto

COISAS PRA SE FAZER SOZINHO

respirar é sozinho
igual nascer e morrer
respire e com sorte
o coração não te deixará sozinho
quem não tem sorte
já viu
respirar é sozinho
igual a escrever
escreva e com sorte
a palavra não te deixará sozinho
quem não tem sorte
não viu

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

OLHAR DESPETALADO

o olhar despetalado
espalha visões pela paisagem
as pétalas da lembrança
ramificam ao redor da perda
breve é o silêncio equivocado
o barulho da entranha
une a paisagem
lado a lado
e aos poucos vai formando
notícias
não há roteiro
que te encaixe na vida
olhar dependurado
inútil olhar perdido
sem esquiva

DESENCONTROS

as maçanetas interrompem
o silêncio do corredor
falam com as portas
para não serem abertas
vão os passos
os encontros forçados
os abraços necessários
perdidos noutro prédio

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

meu corpo misturado ao sofá
sendo bebido pela tarde
minha cara enorme
meu vômito inóspito
eu teria princípios
se soubesse o que é limite
mediria o sentimento se o encontrasse
não tem nome o que me faz assim
tenho fé em fim

DOSES


não vamos melhorar
nem o mundo
qualquer coisa oferecida
será apenas um paliativo
o segredo é manter-se vivo