sexta-feira, 31 de agosto de 2012

ESTIO

pra mim chega
toda vez é isso
essa página em branco
e esse olho por cima
sem fazer sombra
é só luz é só calor
e nada abaixo se queima
nem esquenta
nem permanece frio
pra mim chega
carregar algo
parecido com um corpo
mas que nunca chega
aonde deveria
porque já está morto

terça-feira, 28 de agosto de 2012

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

O CORAÇÃO É APENAS UM MÚSCULO

não se preocupe
continue administrando
os ossos sob a tua pele
administre o sangue sob a tua carne
enquanto isso
alguém adestra a tua alma
e o coração é apenas um músculo
que te ensinou a pensar em segredo

SOBRE A ESCURIDÃO

o amor ultrapassa as pessoas
e se instala ao redor
o amor da porta pelo vão
o amor dos pés pelo chão
o amor da terra pelas formigas
o amor das formigas pelo cadáver
e o amor do cadáver pela escuridão
prolifera as coisas claras
e uma flor sem precisar de músculos
se despetala

terça-feira, 21 de agosto de 2012

SOMBRA

a certeza de não morrer
abre essa página
tome-a entre as suas mãos
como se uma folha de uma árvore
soubesse que não é mais sombra

OUTRO

não olhes para mim
se estás ai dentro
não fui eu quem te introduziu
nem me perguntes pela saída
se eu soubesse já teria fugido
olhas quando olho
desapareces quando desapareço
querias estar ao meu lado
mas tens medo
no fundo queres me socar
mas socar o meu rosto
só vai provocar a quebra do espelho

FOTOGRAFIA

sempre me imaginei
como uma fotografia ao fundo
desfocada
quase sem ser enxergada
uma mancha perdida
na paisagem
algo a ser excluído
da arte final

DEBULHADO

pensei em deixar o tempo
marcar a minha pele
agi antes e me descasquei
o tempo passeia agora
entre uma lasca e outra
evitando minhas águas

AUSENTE

e se te mostrarem o quarto vazio
com os pés da cama pendurados pela janela
as roupas enforcadas nas cortinas
os papéis de parede em adiantado
estado de putrefação
e a tua voz permanecer oculta
mesmo envolvida num grito
e o teu gesto chegar depois do gesto
de uma estátua
e o teu pensamento cansado
de tanto preencher paisagens
e o teu corpo guardado
dentro das tuas malas
mesmo assim não entenderás
a tua presença


ANTES PASSADO


alguém parecido comigo
em algum lugar do passado
mói a angústia
de outro antepassado
eu não converso com a angústia
tenho outras prioridades
meu futuro é estranho
como era para o meu antepassado
mais estranho é o presente
que me coloca de lado

ACENOS


um céu retorcido de arames
protege o sol dos nossos olhos
alavancas turvas abraçam nossas pernas
areia afogada sob o mar
todos esses corpos
com os braços erguidos
acenam como se a despedida
tornasse o azul mais possível
no entanto outras cores
submerge tudo


sexta-feira, 17 de agosto de 2012

RISCO

traço um risco
entre mim e o fim
não entendo de equilíbrios
entendo mais de quedas
tenho o bolso repleto delas
na calça esquecida onde morri

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

BREVE INTERRUPÇÃO

alguém
que sabe ser feliz
por saber da morte
por saber que as borboletas
pousam sem precisar de sorte
interrompeu essa página
para dizer isso
e mesmo assim
não foi ouvido


VAZIOS

no poema
há temporal
há calmaria
no poema
cabem agonias
almas tardias
procurando corpos
encontrando ossos
armadilhas
no poema
há acidez
há troncos sem raiz
sem abdômen
há peles
procurando nomes
há pelos
há falos
amenos
no poema
ai de quem
tem a certeza
que há
algo num poema

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

A MELHOR FORMA DE DIZER

sempre assim
buscando coisas
difíceis de dizer
encontrando coisas
fáceis de sentir
e como escrever
sem usar palavras
já usadas
melhor soltá-las

COMO SE FOSSE ÁGUA

não consigo ficar contido
não consigo me conter
no entanto está tudo entupido
não tenho pra onde correr
se ainda eu pudesse esborrar
se ainda eu soubesse evaporar
mas não consigo
não sei como me desfazer
não sei como fico concreto
não sei como me liquefazer

SONHO SEM CABEÇA

se eu tivesse cabeça
teria um sonho
meu corpo sonha
com uma cabeça
sem sonhos

DÓCIL

meu algoz é dócil
sorriso na ponta da espada
atravessa a minha entranha
reduz à dor física
meu desespero encravado
como se eu pudesse
escolher uma dor

NOME DA CHUVA

diferente das pessoas
toda chuva tem um nome
as pessoas nunca chegam
mesmo quando sabemos os seus nomes
a chuva sempre vem

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

CRU SE FICO

por falta de cruz
fico pregado na parede
espero alguém vir abrir
as sete chagas
as sete pragas
às sete horas
alguém abrir a porta
por onde eu escorra
essa demora me incomoda
alheia à gravidade
a parede se espreguiça
e me encaminha
em direção ao céu

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

FANTASIA

a poesia
é o nome de fantasia
do sonho

MORTO POR ENQUANTO

a morte é estranha
enfrentei situações terríveis
e sobrevivi
agora morro por um simples fato
dizem que não entendem
algumas coisas que escrevo
nem sempre quem escreve
quer dizer alguma coisa
minha capacidade de reter palavras
está comprometida
mesmo depois da minha morte
as palavras continuarão a crescer

COMO EVITAR UMA GUERRA

não transforme seus inimigos
em motivos para a guerra
pois a guerra
inevitavelmente
acarreta a morte de inocentes
por isso antes
que a guerra comece
elimine os inimigos
mas aja depressa
antes que eles tenham
a mesma idéia

AS DIFÍCEIS FÁCEIS

alguns preferem as fáceis
porque não querem dificuldades
porque as fáceis estão em toda parte
e qualquer um tem acesso
outros preferem as difíceis
pela própria dificuldade
e ao usá-las e tornar isso público
vai parecer aos outros
que tudo ficou mais fácil
eu prefiro as fáceis
para usá-las de maneira difícil
usar as fáceis de modo fácil
não vai parecer nada difícil
então dificulto o uso fácil
procurando o modo difícil
classificar o que é fácil
ou o que é difícil
também não é uma tarefa fácil
usar por exemplo a palavra fácil
para um poema parecer difícil
é mais fácil escrever difícil de maneira fácil
do que escrever fácil de maneira difícil
senti isso desde o inicio