quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

VIDRAÇA


meu remorso
está colado ao relógio
mas não para as horas
a angustia inunda a tarde
em ondas sonoras
e eu não sei nadar
da praia observo
o mundo caindo
como uma chuva
há goteiras na minha alma
difíceis de aparar

Nenhum comentário: