quinta-feira, 27 de março de 2014

NA PRAÇA


sentado no banco da praça
o poeta observa o mundo passar
pessoas penduradas
árvores sem roupas
animais com almas esquecidas em obituários
um vento parecido com a chuva
mas quente como o silêncio
mostra aos cabelos uma cabeça desnecessária
o poeta exala um sopro comovido
seu hálito embaça o papel


Nenhum comentário: