quarta-feira, 9 de abril de 2014

ROÇO

com tranqüilidade
roço o meu rosto sobre a superfície
aos poucos vou me desvencilhando dos sonhos
até o vazio adoecer
roço o meu corpo sobre o mundo
o arrepio do mundo me despedaça
aos poucos os olhos escorrem pela vidraça

Nenhum comentário: