terça-feira, 5 de agosto de 2014

DORMÊNCIA

as palavras itineram
entre as minhas pregas
o tempo me cobre
como um livro
respiro a dormência
de um precipício
quero esticar minhas feras
entre um dente e outro
colho sorrisos entre os trilhos
enquanto o trem atravessa


Nenhum comentário: