quarta-feira, 20 de agosto de 2014

NA ÓRBITA

entro no pátio
com meu andar calmo
o silêncio que carrego não pesa
não deixa a marca dos meus rastros
flutuo na mesma altura das árvores
tenho frutos mas esqueci
também tenho folhas tronco
essas coisas parecidas
o mundo me carrega no olho
como se carregasse uma lágrima
não há motivos para a alegria do mundo
me preparo para a queda


Nenhum comentário: