quarta-feira, 15 de outubro de 2014

REGRAS

regra não tem preço
parece comida
pendurada num adereço
no começo erra
depois não quis menos
agora retina inacabada
engole o tom
da cala magra
regra não tem começo
empalidece instruída
ventilada num apreço
ao final era
e sempre queria mais
afora cortina abalada
esfola o som
da mala traga


Nenhum comentário: