terça-feira, 13 de janeiro de 2015

BAGA


veias não se capturam
parecem dormentes
por isso o trem as aquece
imóveis escuras
uma dor que se junta às outras
até formar uma corrente
onde ninguém ficará preso
veias escondem o sangue
e sob a pele e sob a distância
vozes murcham
como se fossem flores
na lapela do coração de Paris


Nenhum comentário: