quarta-feira, 8 de abril de 2015

SUBTERRÂNEOS


parto natural
resolvo o que me sobra de carne
além do espelho a curvatura e o sonho
procurando uma cabeça onde se esconder
aqui subterrâneos
um ramo de gardênias sufocado pela sombra
quero água gritava mas ninguém escutava
nem a chuva que engoliu a tal curva fechada
não quero nem mereço o que me cura
das feridas sobraram apenas as partes arranhadas
não há nada que me aplaque
tudo que eu quero não posso respirar
por enquanto mergulho
meu silêncio disfarçado de escuro

Nenhum comentário: