terça-feira, 1 de dezembro de 2015

ESCURO

o poeta não reproduz claridades
não há luz no seu corpo
nem quando está morto


Nenhum comentário: