quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

LÂMINA

a pele não sabe a lâmina
sabe o corte e se abre
desabrocha em sangue
como uma flor num poema
rasgando o silêncio
exala o perfume da dor
e a cor se espalha
umedecendo a página


Nenhum comentário: