quarta-feira, 19 de outubro de 2016

POEMA OU PESSOA

hoje escrevi um poema estranho
e fiquei olhando pra ele
como se fosse uma pessoa
e ele me devolveu o olhar
como se fosse uma pessoa
que estivesse sendo observada
e se perguntasse e me perguntasse
por que eu estaria olhando para ele
daquela maneira
como se ele fosse uma pessoa
quando na verdade é um poema
que está sendo observado
como se fosse uma pessoa
e se sentisse incomodado
como se fosse uma pessoa
quando na verdade é um poema
que está sendo observado
como se fosse uma pessoa
então resolvo descansar o meu olhar
e observo o poema
como se fosse um poema
e o poema devolve o seu olhar
como se eu fosse uma pessoa


CORRENTES

não adianta esperar a corrente
ou esperar da corrente a fala
ou se ela vai permanecer apagada
não adianta atravessar a corrente
deixar os elos marcar o corpo
ou o poro afogar no furo
não adianta sentir a corrente
do corpo dormente arrancar a penugem
o ponto final da corrente é a ferrugem